quarta-feira, 19 de outubro de 2016

261ª Nota - Onde está a Igreja visível?


A frase de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre se encontrará a Fé na Terra, quando de sua Parusia, leva-nos a interessantes reflexões. É a Fé que estará quase absolutamente ausente, e consequentemente a caridade e a esperança, porque estas evidentemente decorrem daquela. A crise gravíssima com que hoje nos deparamos é a da Fé. E é pela Fé, extraindo da frase de Cristo, que reconhecemos e constatamos onde se encontra a Igreja visível. Os frutos visíveis reconhecidos da Igreja são aqueles decorrentes da verdadeira Fé. Repito: é pela Fé que reconhecemos a verdadeira Igreja visível, cuja aparência atualmente está ausente ou irreconhecível, como Cristo chagado e crucificado. Observem bem: a Igreja está chagada e crucificada, irreconhecível e aparentemente ausente, mas JAMAIS, NUNCA herética e heretizante, ou instrumentalizada pelos hereges, porque isto contraria totalmente a indefectibilidade da Igreja. As portas do Inferno jamais prevalecerão contra Ela, e admitir que os hereges são a hierarquia da Igreja de Cristo, é admitir que as portas do Inferno prevaleceram contra Ela. Pois se são eles que a governam; logo, são eles que prevaleceram. Aliás, a visibilidade da Igreja não está na absoluta constatação visual ou aparente de todos os fieis ou de muitos ou mesmo de poucos; a visibilidade da Igreja se fundamenta na promessa de Cristo. Portanto, a visibilidade da Igreja não está restrita à constatação feita por mim nem por ninguém, mas fundamentada na Sua promessa de que estará conosco até a consumação dos séculos. Se exigíssemos a visibilidade como Santo Tomé, teríamos que responder onde se encontrava a visibilidade exterior e universal da Igreja quando em Pentecostes? A Igreja deixaria de ser visível pelo fato de ninguém a tê-la visto no norte nem no sul, no leste nem no oeste? Como ficaria a visibilidade da Igreja no oriente chinês e japonês quando da ausência mais que secular da hierarquia eclesiástica?
Hoje não vemos a hierarquia visível da santa Igreja, mas sabemos – pelas promessas – que Ela existe e estará presente até a consumação dos séculos. Vemo-la como a viam Moisés e os Profetas o Messias esperado, ou seja, na Fé, mesmo que humanamente tudo conclame para que pensemos o oposto. Por isso, a importância de cada um de nós estudar a Fé, a verdadeira Fé, e transmiti-la. A Fé da Revelação, da Tradição e do Magistério da Igreja até Pio XII. É esta – acredito – a mais importante incumbência do católico de hoje: ter a Fé na noite escura!

“A Igreja, sociedade sem dúvida sempre visível, será cada vez mais reduzida a proporções simplesmente individuais e domésticas.” (Cardeal Pio, em “Le chrétien au combat pour le règne de Dieu”, 1859)